Significado da música Eduardo e Mônica - Legião Urbana

by - maio 09, 2018

Eduardo e Mônica - Renato russo
A música faz parte álbum Dois lançado em julho de 1986, porém a música já havia sido gravada em 1982 no álbum “O Trovador Solitário” quando Renato apresentava-se sozinho no violão, esta gravação tem um final diferente do versão do álbum Dois.

Quem são Eduardo e a Mônica?



Leo coimbra a Mônica da canção
Renato se inspirou em várias pessoas que ele gostava e em casais de amigos, para criar os personagens Eduardo e Mônica. Entre os Eduardos estaria André Pretorius, Philippe Seabra, o irmão do Marcelo Bonfá, Dado Villa-lobos e até mesmo o próprio Renato que chegou a dizer que ele mesmo era o Eduardo, só que menos bobo. Mas os maiores inspiradores da canção foi sua grande amiga Leonice de Araújo Coimbra ou simplesmente Leo Coimbra, ela é a Mônica e o seu marido Fernando Coimbra é o Eduardo.
A Leo possuía uma relação bem familiar com o artista, inclusive seria ela uma das primeiras a saber, que ele havia contraído o vírus da aids e apesar dela ser apenas dois anos mais velhas que o Renato, já era mãe de 2 filhos do primeiro casamento e estava namorando alguém mais novo, no caso o Fernando.
Ela conta que quando o Renato fez a canção, ligou para ela e cantou a música toda via telefone, e disse que era homenagem ao casal, ela conta também que não se identifica com a letra, tirando a parte que a Mônica adorava os filmes de Godard e que tinha tinta no cabelo, pois as vezes ela tinha tinta mesmo no cabelo devido ser uma artista plástica. Segundo ela nunca fez medicina e que apesar de ter tido uma avó alemã, fala nada em alemão. E que na época da música nenhum dos três filhos ficou de recuperação.
A mensagem que Renato queria passar é que o importante é amor, a amizade, o importante é ter uma pessoa que a gente ame e que nos ame.


Analisando a música

"Quem um dia irá dizer
Que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração?
E quem irá dizer
Que não existe razão?"
O autor nos mostra a complexidade em entender o coração, já que a razão do coração parece está oculta para os que não sentem amor e visíveis apenas para que sabe o verdadeiro sentido de amar.

A razão é a "cabeça", é o cérebro, é a mente. Já o coração é o "Corpo", é a fontes de desejos. Quando amamos, parecemos nos tornar seres irracionais, não analisamos as coisas com a cabeça e sim com o coração, a verdade é que as razões do coração nem sempre são racionais. Blaise Pascal dizia “O coração tem razões que a própria razão desconhece”. Não dá para entender a atração e por que fazemos coisa incomuns para outra pessoa. A verdade é que o coração não é racional, ele não escuta a razão, ele tem suas próprias razões. 

As razões do coração são as que mais o excitam em seu calor mágico, estimulante e eufórico, enquanto a razão (da cabeça) é fria, rígida, séria e controlada não consegue compreendê-lo.

"Eduardo abriu os olhos, mas não quis se levantar
Ficou deitado e viu que horas eram
Enquanto Mônica tomava um conhaque
No outro canto da cidade, como eles disseram"

Aqui podemos observar a primeira diferença entre Eduardo e Mônica. Enquanto o Eduardo era mais caseiro, a Mônica era mais de sai para alguma festa, mais extrovertida e madura. 

Ele acordou e está naquela aquela preguiça que todos sentem ao acordar, enquanto ela já estava ou passou a noite bebendo um conhaque.

"Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer
E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer
Um carinha do cursinho do Eduardo que disse
Tem uma festa legal, e a gente quer se divertir"

Esta estrofe relata o primeiro encontro meio por acaso dos dois e podemos perceber que houve uma conexão entre eles, já que passaram horas conversando.


"Festa estranha, com gente esquisita
Eu não tô legal, não aguento mais birita
E a Mônica riu, e quis saber um pouco mais
Sobre o boyzinho que tentava impressionar
E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa
É quase duas, eu vou me ferrar"

Como o Eduardo era mais caseiro, ele estranhou aquele ambiente, aquela bebedeira e para tentar chamar a atenção da Mônica bebeu muito birita e como não era acostumado beber ficou meio tonto. A estratégia de chama a atenção da Mônica parece que deu certo. Ela achou aquilo engraçado e procurou conhecer mais o boyzinho, porém o Eduardo não queria mais saber de nada, só queria ir embora, já que era duas horas da madrugada e ele não era de chegar tarde em casa.


"Eduardo e Mônica trocaram telefone
Depois telefonaram e decidiram se encontrar
O Eduardo sugeriu uma lanchonete
Mas a Mônica queria ver o filme do Godard"

Lembra daquele velho ditado em que diz que os opostos se atraem, pois bem, aqui vemos isso se concretizado. O Eduardo e Mônica eram diferentes como o sol e a lua, no entanto se sentiram atraídos no primeiro encontro e era essa a mensagem que Renato queria nos passar, que as diferenças, seja ela de idade, de gosto ou comportamento não importa, o que realmente importa é o amor.

O Godard não canção é Jean-Luc Godard é um Diretor franco-suíco, roteirista e crítico de cinema. Nasceu em Paris, França no dia 3 de dezembro e se tornou um um grande revolucionário da sétima arte, inovando em angulações e temáticas.

"Se encontraram, então, no parque da cidade
A Mônica de moto e o Eduardo de camelo
O Eduardo achou estranho e melhor não comentar
Mas a menina tinha tinta no cabelo"

Essa estrofe nos relata outro encontro de Eduardo e Mônica, só que dessa vez no parque da cidade. Essa é também uma das estrofes em que a Leo Coibra se identifica, pois segundo ela, as vezes tinha tinta no cabelo devido sua profissão de artista plástica.

Camelo é uma gíria para bicicleta em Brasília, uma vez que a canção é toda voltada para essa cidade.

"Eduardo e Mônica eram nada parecidos
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia Medicina e falava alemão
E ele ainda nas aulinhas de inglês"

Aqui nos mostra a diferença de idade, enquanto ela se formava em medicina, o Eduardo era apenas um adolescente nas aulinhas de inglês com seus dezesseis anos de idade.

Podemos observar também que a Mônica era mais velha por causa do seu comportamento, do seu modo de ser e porque a estrofe anterior fala foi de moto para o parque da cidade, o que mostra que ela provavelmente seja maior de idade.

"Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo gostava de novela
E jogava futebol de botão com seu avô"

As pessoas citadas na canção são pessoa que mudaram a nossa visão sobre a arte. Podemos perceber então que a Mônica era uma pessoa inteligente, moderna, culta e espiritualizada que apreciava a arte, a cultura, a música, a literatura etc.


O Bandeira da canção é o poeta Manuel Bandeira um dos principais nomes do movimento modernista no Brasil. Nasceu no dia 19 de abril de 1886, no Recife, Pernambuco. Bandeira inovou ao escrever versos simples, de fácil compreensão e ainda assim muito belos.


Bauhaus é uma banda inglesa de pós-punk formada em Northampton, no ano de 1978. O grupo consistia de Peter Murphy (vocal), Daniel Ash (guitarra), Kevin Haskins (bateria) e David J (baixo). Eles exploram um estilo intenso, sombrio e assustador que viria a ser conhecido como rock gótico . A Bauhaus continua sendo um dos grupos mais populares de sua época e gênero.


Vincent Willem Van Gogh foi um pintor holandês considerado uma das figuras mais famosas e influentes da história da arte ocidental. Van Gogh não obteve o reconhecimento no meio artístico enquanto estava vivo. O fracasso fez com que ele atirasse no próprio peito, morrendo dois dias depois na cidade de Auvers-sur-Oise, França.


Banda Os Mutantes parecia ser a loucura. Na época em que os primeiros álbuns psicodélicos ganhavam destaque no cenário musical, Rita Lee se uniu a Arnaldo Baptista e a Sérgio Dias e assim surgiu uma das mais importantes e malucas bandas do rock brasileiro.


Caetano Veloso, citado logo depois de Os Mutantes em Eduardo e Mônica, acompanhou assim surgimento, assim como praticamente todos os outros momentos marcantes da música brasileira, sendo, inclusive, um dos maiores nomes do movimento da Tropicália.


Por fim, o último grande célebre que aparece na música é o brilhante poeta francês Jean-Nicolas Arthur Rimbaud, que mais tarde influenciaria grandes símbolos da contracultura, como Bob Dylan e Jim Morrison. Rimbaud morreu prematuramente, aos 37 anos, de câncer.


"Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer
E decidiu trabalhar (não!)
E ela se formou no mesmo mês
Que ele passou no vestibular"

Na frase “ele aprendeu a beber” mostra que o Eduardo foi um pouco influenciado por Mônica, a estrofe também retrata a transição da adolescência para a fase adulta do Eduardo, ou seja, ele começa se tornar alguém mais maduro e responsável.
A diferença de idade mais uma vez é retratada nesse estrofe, enquanto a Mônica termina a faculdade de medicina o Eduardo ainda irá entra na faculdade.

"Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília
E a nossa amizade dá saudade no verão
Só que nessas férias, não vão viajar
Porque o filhinho do Eduardo tá de recuperação."

“Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia, teatro, artesanato, e foram viajar”. Só que dessa não deu certo para o casal viajar porque filhinho do Eduardo estava de recuperação. O Renato falou filhinho do Eduardo provavelmente porque os dois primeiros filhos da Leo coimbra eram do seu primeiro casamento, eles não eram filhos biológicos do Fernando.
Renato, Muari Vieira citado na canção como "o filhinho do Eduardo" e Fernando "o  Eduardo"
Foto: Dino - Página de Facebook, Aborto Elétrico

Da esquerda para direita: Muari, Leo coimbra e Fernando, no Parque do Ibirapuera São paulo
Foto: Rosângela Barboza/ Página Aborto Elétrico
Veja também: Significado da música Metamorfose Ambulante de Raul Seixas

Você pode gostar também

0 comentários